top of page
  • Foto do escritorHamasul News

Empreendimentos verdes: a sustentabilidade é uma necessidade

A preocupação com sustentabilidade e com hábitos de vida mais alinhados com consumo sustentável tem sido uma preocupação não só das novas gerações, mas promovido um debate amplo em vários setores da sociedade. E essa tendência tem sido aplicada cada vez mais na engenharia, com os chamados empreendimentos verdes. Por volta de 80% da energia global é consumida pelos aglomerados urbanos, e os edifícios representam aproximadamente 40% deste consumo. A boa notícia é que o Brasil já é o 5º no ranking mundial de construções sustentáveis. Nos últimos anos, as soluções baseadas na preservação da natureza - essência do investimento sustentável - têm ampliado demandas por condomínios sustentáveis. E há vários itens que tornam os empreendimentos "verdes".


Um exemplo é a adaptação em condomínios para carregamento de carros elétricos. Esse mercado apresenta crescimento acelerado desde 2015, na comparação com a evolução anual de veículos convencionais no Brasil. De acordo com a Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), o setor teve desempenho recorde com aumento de 29,4% nas vendas entre janeiro e abril de 2021 no Brasil. Um reforço nessa tendência veio com uma lei municipal de março de 2021 (n° 17.336), que estipula que novos edifícios residenciais e comerciais da cidade de São Paulo tenham soluções para recarga de veículos elétricos em suas plantas. “A lei traz uma série de benefícios para os empreendimentos: visibilidade, ganho em marca e alinhamento com as necessidades globais de sustentabilidade por causa de questões climáticas”, afirma Raphael Pintão, sócio-diretor da NeoCharge, empresa pioneira em infraestrutura para veículos elétricos e líder no mercado em venda de carregadores de carros elétricos.


Outra tendência que pode ser usada como exemplo é a valorização da luz natural na construção civil – e não é só uma tendência estética. "O planejamento de espaços com previsão de incidência solar garante otimização energética para o edifício como um todo", explica o engenheiro civil Maurício Wildner da Cunha, da Construtora Andrade Ribeiro.


A tendência é que quem economiza recursos naturais também gaste menos dinheiro: a adesão à energia solar tem aumentado intensamente e está se tornando um meio bastante eficaz para empreendimentos imobiliários reduzirem custos de consumo e avançarem em sustentabilidade.


Para medir o nível de sustentabilidade das construções a nível mundial, a organização Green Building Council, com sede nos Estados Unidos, criou o selo LEED (sigla para Leadership in Energy and Environmental Design – Liderança em Energia e Design Ambiental, em tradução livre), que certifica os prédios e residências que atendem a requisitos de boas práticas nas categorias eficiência energética, uso racional da água, materiais e recursos e inovações e tecnologias.


Ao realizar uma avaliação, a instituição pontua o projeto de 40 até 110 pontos. A depender da nota atingida, o projeto recebe o selo LEED de ouro, prata ou de platina. Conforme a unidade brasileira do Green Building Council, o Brasil já é o 5º colocado no ranking mundial de construções sustentáveis, atrás dos Estados Unidos, Emirados Árabes Unidos, Canadá e China.


O valor atual para construções de um empreendimento sustentável certificado está entre 2% a 7% maior que o custo de um empreendimento convencional. Em contrapartida, os custos operacionais são em torno de 6% a 9% menores: os valores gastos com água são reduzidos de 30% a 50%; com a energia, de 25% a 30%; e, com a gestão de resíduos, de 50% a 70%, o que compensa esse investimento inicial maior. Em uma construção sustentável, esse retorno acontece entre 3 e 5 anos.


ECONOMIA DE ENERGIA EVITA APAGÕES

Uma outra preocupação que faz a construção civil e a sociedade de maneira geral buscar soluções sustentáveis é o risco de apagão. De 2005 até 2021 ocorreram, aproximadamente, 13 apagões regionais ou nacionais. “Considerando que o risco é inerente ao sistema elétrico atual, dificilmente vamos evitá-lo, mas podemos diminuí-los economizando energia elétrica, água e, dentro do possível, investir em energia solar”, diz o engenheiro eletricista Sergio Levin, especialista do Ibape/SP (Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia).


Até que nossos sistemas sejam adaptados para modelos mais sustentáveis, a economia de energia é indispensável. A engenheira civil Flávia Cristina Duque, CFO do Grupo BR Work, indica que o principal vilão da conta de luz ainda é o chuveiro elétrico. Se utilizarmos o chuveiro na posição morno ou verão, haverá uma economia de cerca de 30% (R$30). "De maneira geral, reduzir o período que utilizamos aparelhos de maior potência, principalmente quando nos referimos aos equipamentos que necessitam de energia, para gerar calor, afeta significamente o consumo final da nossa conta". O mesmo vale para o ferro de passar, cuja recomendação é esperar acumular roupas e passá-las de uma vez. Aquecedor e ar-condicionado também ligam o alerta. O primeiro pode representar até um terço do consumo de luz da casa. Aparelhos em standy by devem ser tirados da tomada ao ficar tempo sem uso – especialmente nos apartamentos de veraneio, onde as visitas são menos frequentes.

15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Como funcionam os armários inteligentes para condomínios?

Inovação que está ganhando cada vez mais destaque no setor imobiliário e na gestão de propriedades, os armários inteligentes são projetados com tecnologia avançada para oferecer maior conveniência, se

O boom do mercado imobiliário na baixada

Já faz parte da rotina: andar e ver novos empreendimentos sendo erguidos, cada vez maiores e com mais funcionalidades. O litoral de São Paulo vem experimentando, especialmente nas últimas décadas, um

Comments


bottom of page